Patricia Novaes
Hoje vim pra contar como foram os últimos dias de espera e como foi o parto! Está grande o post hein!
Dia 05/11 foi meu ultimo dia de trabalho, tirei a licença 10 antes da data prevista do nascimento e fiquei com uma dor na consciência pois seria menos tempo com o bebê, mas eu estava muito cansada, acabada!

Dia 08/11 (segunda-feira) veio uma faxineira aqui em casa e eu arrumei mais algumas coisinhas que estavam faltando. A noite eu peguei no sono bem cedo, o Murilo achou estranho esse fato e me acordou umas 23:00, quando ele me chamou eu fiquei sem resposta só sentindo uma água entre as pernas, pensei que fosse xixi e quando vi que não era eu falei: é agora! E pulei da cama imediatamente! Tomei banho correndo, pegamos todas as malas e bugigangas e corremos pra maternidade.

Chegando lá o médico me examinou e disse: a bolsa não estourou, vazou, mas não estourou, você deve ficar em observação essa noite.”, mas me deixou vir pra casa pois moro pertinho do hospital e me pediu pra voltar de manhazinha.

Durante a noite eu arrumei algumas coisas, enchi os vidrinhos de doce de leite, não preguei os olhos, o Murilo conseguiu dormir.

Voltamos lá pela manha e fomos atendidos por outro obstetra. Odiei esse obstetra, ele enfiou um negocio em mim e pediu pra eu tossir, e eu que já estava com uma dorzinha fiz cara de que não queria e ele falou: “Nossa, está difícil pra você tossir? Como é que você vai conseguir fazer o parto? Você não vai agüentar!”. Enfim: ele disse que não estourou a bolsa e o cardiotoque mostrou que eu tive uma única contração leve.  Sai de lá e fui direto pro meu obstetra.

Eu perguntei sobre a possibilidade de agendar uma cesárea pro dia 16 caso não nascesse até o fim de semana quando viraria lua (é eu acredito nesse negócio da lua), eu disse que não agüentaria esperar até dia 18 e o médico me disse que provavelmente o bebê não esperaria até dia 18 mesmo. Deixamos combinado que eu ligaria pra ele, e vim pra casa.

Almocei e peguei no sono, ai começaram as contrações, no inicio eu não tinha certeza se eram contrações, mas comecei a cronometrar, tinham intervalos de 30 minutos. Avisei o Murilo pois ele estava trabalhando e eu estava sozinha em casa. Passei a tarde toda assim: contrações e caia no sono. Os intervalos foram ficando menores, 15 minutos e as vezes vinham umas contrações bem fortes. O Murilo chegou em casa e quis jantar logo prevendo que teríamos que sair correndo... umas 20:00h ainda tomamos sorvete. Ah ele também teve a idéia de marcar quais contrações eram fortes.

Em alguns momentos as contrações passaram a ter 5 minutos de intervalo, e às vezes eu tinha que me levantar da cama e andar pra tirar o foco da dor, o Murilo queria ir pra maternidade já fazia tempo e eu falava pra ele: ” você não vê essas mulheres no Discovery home and health? Ficam dias tendo contrações, eu não vou no hospital agora!”

Ai começou uma chuva danada, parecia que ia cair o mundo, e ele insistindo em irmos pro hospital e eu não queria ir de jeito nenhum. Ai quando deu umas 23:00 ele vira pra mim e diz: “Eu não sei você, mas eu estou indo pro hospital agora! “ ahahahah no fim eu cedi e fui. Mas falei pra ele: “Não leva nada!” e ele: “Nada? Pelo menos o kit de coleta do sangue do cordão umbilical”, ai eu concordei! No fim ele levou a mala do Octavio.

Chegando lá aquele médico estúpido da manhã ainda estava no plantão, pediu a carteira de gestante e como saímos correndo não levamos, e ele falou pro Murilo: vai buscar enquanto eu examino ela, ai eu fiquei de má vontade e quase vim embora, mas fiquei lá, dei o papel que anotei as contrações pra ele e ele me perguntou o que eram as que tinham um X  e eu expliquei que eram as contrações fortes, e ele com cara de deboche: “Quer dizer que em tantas horas você só teve tantas contrações fortes? “. Ele estava achando pouco... ai que ódio do danado!!

Ai deitei na maca, e ele veio me examinar e disse: “Pelos menos as contrações serviram pra alguma coisa: você já começou a ter dilatação, 5 cm”. E eu: “Quer dizer que vai nascer logo então né?”, e ele: “Só não nasce hoje pois já são 20 pra meia noite”, e eu ri... achei graça... pensei: oba, nasce na sexta-feira, máximo no sábado então!! (detalhe: era terça passando pra quarta-feira)

Desci da maca pra colocar minha roupa e enfermeira me falou:  “agora vai lá e tira o restante da roupa e veste a camisola novamente” e eu: “o que? eu vou ficar aqui? Não vou embora pra casa? “ e o médico: “você tá achando que vai voltar pra casa? Não vai não! Vão nascer logo!”

E o Murilo não chegava... ai meuDeusdoceu... a moça me levou pra sala de pré parto, era uma gorda meio mal humorada... me mandou deitar, ai que eu lembrei de falar pra ela que era pra  ligar pro meu médico que eu já havia combinado com ele e que próprio faria meu parto.

No meu convenio é assim: você faz o pré natal com um medico,  mas quem faz o parto é o medico de plantão, mas você pode pagar pro seu medico ir fazer o parto , tem que deixar tudo combinado, porque ele dá um papel carimbado e com ele o medico de plantão liga pra chama-lo.

O Murilo chegou no hospital e perguntou pra moça: “Ela tá lá fazendo cardiotoque? Posso entrar?” e ela: “Isso tá no cardiotoque (mentira né) mas o medico quer falar com você antes.”. Ai o médico: “Ela tá em trabalho de parto já, e eu to preocupado, ela quer parto normal mesmo? Porque ela achou difícil tossir pra mim hoje, ela não vai agüentar” e o Murilo: “Ela quer parto normal, vamos tentar!”.

Enquanto isso eu estava na sala de pré-parto e entrou um anjo lá, uma enfermeira chamada Talita, me raspou (não tive tempo de depilar, estava marcado pro dia seguinte) e me explicou que faria uma lavagem estomacal. Ai que confusão que dá a dor de barriga com a dor da contração, ai fui no banheiro, tomei banho... e o Murilo chegou, e novamente correu em casa pra pegar minha mala pois eu queria meus chinelos (que coisa mais idiota né), nessa hora ligou pra toda a família.

Alias, você sabe como é feita lavagem estomacal? Introduzem um liquido através de uma bisnaguinha, o que não foi nada incomodo levando-se em conta as contrações, e depois você espera dar dor de barriga e vai ao banheiro. Estou contando pois aqui em casa ninguém sabia como era, achávamos que tinha uma mangueira sugadora ahahahah e se você também não sabia agora já sabe!

As contrações estavam cada vez mais fortes, nessas contrações eu sentia uma dor muito forte no finalzinho das costas, uma dor bem forte na barriga e uma dor no baixo ventre bem tipo cólica menstrual mas imagine a cólica mais forte que você já teve e multipliquei por 100! Eu me contorcia, segurava na mão do meu marido e quase mordi uma vez, eu apertava o travesseiro. As dores começaram a vir em intervalos cada vez menores e eram mais longas. Fora as contrações eu sentia uma dor continua que devia ser forte mas que comparada as contrações era quase nada.

Ah, eu não tomei anestesia pois cheguei em trabalho de parto muito adiantado no hospital, caso contrário teria tomado todas as drogas que tivessem me dado!

O médico veio estourar minha bolsa pois não estourou sozinha, isso foi tranqüilo, esperou uma contração, introduziu um apetrecho pontudo  e pronto, fiquei vazando uns 3 minutos.

Murilo voltou e ficou comigo ali no quarto, ligaram o cardiotoque (aparelho para ver as contrações e o coração do bebê),e por ele viram que eu realmente tinha uma contração seguida de outra. Ai eu falei pra Talita (enfermeira): “estou com vontade de fazer força, como se fosse faze coco” e ela: “pode fazer força, faz bastante força mesmo”. Eu fiz 1 vez, fiz a 2ª vez ai senti uma ardência na vagina, e falei pra ela: “Talita, ele quer sair! Não vou fazer mais força” e ela veio ver e falou: “agora não faça mais força não!” e correu pra chamar o médico que estava ajudando o outro a fazer uma cesárea, ele chegou e falou: “é tá bem fininho” e a enfermeira: “é por isso que corri te chamar”.

Nessa hora a vontade de fazer força era muito grande, e praticamente impossível não fazer a força e a ardência era muito forte, como se uma pele estivesse se rasgando.

Me levaram pra sala de parto e chegando lá tinha uma galera pronta me esperando, ai que coisa mais desconfortável, me botaram deitada na maca de pernas levantadas e abertas e todo mundo começou a se arrumar, lembro que veio uma enfermeira e se apresentou, eu olhei pra cara dela e notei que ela estava toda maquiada e eu pude sentir o cheiro da maquiagem dela, estranho né? Lembro que a Talita tinha as unhas decoradas também... ai cada coisa que a gente vê nessas horas ahahaha

Olhei pra cima, vi aqueles holofotes de luzes (sei que não é esse o nome), perguntei se podia segurar no ferro que dá suporte as pernas, a menina disse que era pra eu fazer isso mesmo e que na hora de fazer força eu deveria também abrir os cotovelos.

Meu marido veio na sala, mas ai como a sala era pequena, ou acharam que 1 de nós 2 não iria suportar colocaram ele pra fora novamente e pediram pra ele esperar ali na porta.

Veio a 1ª contração, e eu não abri os braços coisa nenhuma, a moça falava, mas eu não tinha mais o comando de mim mesma, acho que eu gritei, com certeza gritei, ai o medico falou: “sem gritar, feche a boca” (isso porque quando a gente grita perde a força), ai na outra contração eu abri os braços e soltei um “huuuuuuuuu” e a menina: “tenta não abrir a boca pra não perder força” e eu continuei no “huuuuu”, perdi a força na metade da contração, voltei o corpo na posição deitada, respirei e voltei a fazer força. E aquela dor contínua entre as  contrações havia ficado forte também. Durante as contrações na sala de parto  eu me lembrei que eu li num blog pra tentar não forçar a mordida pois depois teria muita dor no maxilar e dores de cabeça, tentei deixar o maxilar o menos tenso possível.

Não sei quantas contrações se passaram, mas não foram varias não. Ai o médico me falou: “você vai sentir uma picadinha, eu vou dar uma anestesia aqui no local pra cortar”, e eu olhei na mão dele e vi uma agulha enorme na hora pensei: “Deus, preciso olhar pro outro lado, não posso ficar vendo essa agulha”. Senti uma picadinha e logo passou. O médico fez a episiotomia.

Na contração seguinte foi a mesma coisa: eu conseguia fazer força só metade da contração e ai respirava novamente e fazia força, nessa contração depois dos meus gemidos e gritos de dor o médico falou: “olha o cabelinho dele, já tá quase nascendo, na próxima contração você faz o máximo de força que você conseguir.
Ai veio pro meu lado aquele médico chato do plantão e disse: “filha, vamos combinar o seguinte: na próxima contração você vai fazer bastante força e eu vou colocar meu braço aqui na sua barriga pra ajudar a empurrar o nenê”. Ah, nessa hora ele foi legalzinho.

Chegou A CONTRAÇAO! Comecei a fazer bastante força, e o médico começou a empurrar mas teve um momento que eu senti que ele estava praticamente todo em cima de mim, pensei em pedir pra ele sair de cima ahaaahah estava me sufocando, continuei com força, senti a cabecinha do bebê rasgando e fazendo força pra sair, que dor! Eu gemi tanto nessa hora, tomei um ar e forcei novamente e ai senti o bebê escorregar inteiro, como um sabonete que escorrega das nossas mãos no banho. O médico falou: “Pronto! Pronto! Já está aqui!” e eu me curvei pra frente olhei pro bebê e logo voltei pra trás porque apesar do bebê ter saído a dor continuou!

Pronto! Tinha nascido e quase acabado todas as dores!

Depois disso o médico fez os procedimentos necessários e eu ainda fiquei lá um tempão com as pernas abertas, trouxeram o bebê pra mim enquanto colhiam o sangue do cordão umbilical e eu era costurada. Meu marido entrou na sala logo depois que o bebê nasceu e tirou fotos e ficou babando no nosso bebê! Quando tiraram o bebê de perto de mim o médico reclamou: “ah, ela estava tão tranqüila ai com o bebê” a partir daí sentia umas agulhadinhas da costura.

Tudo acabou e eu fiquei com a Talita ainda na sala ela estava pegando uns papeis, sei lá... e eu tremia tanto, ela me disse que era normal pois eu havia feito muito esforço. Fui pra sala de recuperação e 2 horas depois eu fui pro quarto. Entrando no quarto vi que estava tudo arrumadinho: enfeite de porta, as balinhas e as lembrancinhas. Meu marido veio ficar do meu lado, e 1 minuto depois trouxeram o Octávio. Que emoção poder finalmente pegá-lo e tê-lo nos meus braços, comecei a chorar, nem deixei a enfermeira me falar nada, ai entraram no quarto meus pais e minha irmã, estávamos todos tão emocionados.

Não consegui dormir, queria ficar com ele, me sentia cansada mas não dormi. No dia seguinte, por volta das 9:00 me levantei da cama com a ajuda da enfermeira e tomei banho sentada numa cadeira. A Carol me ajudou com o banho, não tive coragem de colocar a mão nos pontos, só joguei água com o chuveirinho.

Ah, todas as manchinhas de sol e sardas do meu rosto ficaram muito mais escuras, apareceram 2 bolinhas de sangue: 1 embaixo da sobrancelha e outra no canto externo do outro olho. Também estourou uma veinha dentro do meu olho. É o esforço foi muito grande!! No final do dia eu estava andando quase normal. O sangramento foi muito intenso durante dias! Os pontos caíram 1 semana depois, mas ainda hoje (23 depois) o corte não cicatrizou por completo, eu passei 2 vezes pelo meu médico já e ele disse que não é comum mas acontece da cicatrização externa do corte demorar um pouco mais, e hoje o sangramento menstrual está muito pequeno. Minha barriga obviamente não voltou ao normal, mas está bem menor comparado ao pessoal que faz cesárea.

Minha opinião a respeito do parto normal: a dor é horrível e quase insuportável, não sei dizer se eu faria novamente e para ajudar a minha cicatrização não foi muito boa por isso senti algumas dores nesses dias todos conforme sentava. O esforço é muito, muito grande, não sei se compensa passar a dor toda de uma vez só no parto ou ficar sofrendo com o corte da cesárea depois, as vezes acho que eu prefiro a cesárea. Mas...

... mesmo que eu pudesse não mudaria nada no nascimento do Octavio! Faria tudo igual novamente  para tê-lo aqui comigo! Porém,se eu tiver outro filho vou cogitar fazer a cesárea.
Marcadores: , ,
3 Responses
  1. Shilola Says:

    Caraca Paty... :D
    Mas gata, não entendi pq não aplicaram a anestesia... Eu cheguei no hospital com 8 de dilatação, e eu fui anestesiada! E olha, se eu senti muita dor chegando a 8 sem anestesia, nem quero imaginar vc com o parto todo sem a anestesia... :S ufa!!!
    Mas uma coisa é certa. Quando colocam o filhote no nosso colo, a dor vai pro quiabo, né?!?! :D
    TD vale a pena!:D
    Bjocas proce, Octavio e pro Murilo!
    Bjocas,
    Carol


  2. Nossa, fiquei cansada só de ler o tanto de força que vc fez. Eu quero ter normal, espero que qdo for comigo não seja tão dolorido assim, se é q é possível.
    Felicidades pra vcs!
    bjin


  3. Sarah Says:

    Patrícia, que lindo seu relato de parto! Emocionante! Eu queria muito um PN mas fiz cesárea (não escolhi, mas teve que ser assim). Apesar da dor, acho uma forma melhor de parto do que a cirurgia, tanto para a mãe quanto para o bebê.
    Parabéns!
    beijos


Lilypie - Personal pictureLilypie First Birthday tickers